Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

1SimplesDesconhecido

Sou mais uma pessoa que decidiu criar um blog, entre milhares, o que me leva a acreditar que provavelmente ninguém vai ter interesse em ver mais um... mas mesmo assim, decidi experimentar! ;)

22
Set17

Os meus miúdos! #14

IMG_20170917_141105.jpg

Meu homem pequenino! ❤

 

Eu - Eu amo-te, primo!

Ele - Não...

Eu - Adoro-te!

Ele - Também não...

Eu - Eu gosto de ti! 

Ele - Não, só falhaste na parte do primo!

Eu - Hummm... Eu amo-te, irmão!

Ele - Sim. Eu também! 😍

 

Bom fim de semana!

 

A Desconhecida

20
Set17

Questões?!

Tenho 20 anos. Sou filha única. Vivo com os meus pais, desde sempre. E, desde sempre que eles são o meu porto seguro. O maior tempo que devo ter ficado fora de casa, foram apenas alguns dias.

 

É bom estar fora, é muito bom. Mas é tão bom regressar a casa, às nossas coisas, à nossa cama, ao nosso porto seguro.

 

Vou para a Universidade. Fico lá a viver? Ou vou e venho todos os dias? Os meus pais deixam-me decidir. O que for melhor para mim. Apesar de o meu pai já ter dito, "se ficares lá, peço no trabalho para me darem a rota de Viana do Castelo." (Nota-se muito que sou a menina do papá?! ❤)

 

Se ficar, não me vejo a viver nos dormitórios. Muita gente. Muito barulho. Para uma pessoa como eu, que está habituada ao seu sossego, não dá... E se for uma casa?! É preciso procurar. E as despesas todas?! É preciso procurar também alguém com quem as dividir. E quem?! Vou morar com alguém que não conheço?! E se for um psicopata?! 

 

Por isso, acho que, tomei a decisão, o primeiro ano vai ser o ano das experiências. Deixem-me fazer amizades. Deixem-me ver o que isto dá. Deixem-me ver o que é, como é... Vou até Viana, mas volto a Braga, todos os dias, para o meu porto seguro. O horário da universidade não é nada mau. As despesas para ir e vir de camioneta também ficam em conta. Não há mais despesas, apenas as das propinas, por isso, porque não voltar todos os dias?!

 

Poder voltar a casa, aos papás, aos meus miúdos, aos meus amigos, à minha família, às nossas aventuras e ainda por cima, tendo a possibilidade de o fazer!!! Oh vida independente e académica, aqui a Desconhecida ainda fica mais uns tempinhos no porto seguro, ainda é uma menininha de 20 aninhos... 

 

P.S - Os primeiros dois dias correram bem, não me perdi, não perdi as camionetas, já fiz colegas, achei tudo muito calmo, lá na escola, na cidade... Os professores até agora têm sido simpáticos e atenciosos. Por isso, aqui a menininha está a entrar na onda... 

 

A Desconhecida

18
Set17

A matrícula.

Foi na segunda-feira passada, que fui até Viana do Castelo, fazer a minha matrícula na Universidade. (Eu entrei na Universidade, ainda parece um sonho...)

 

Fui com a minha mãe, chegamos às 14h30, só de lá saímos às 18h. Filas, filas, e mais filas... Papéis, papéis, e mais papéis... Todas aquelas burocracias, chatas, chatinhas, mas necessárias...

 

Entrentanto, nas filas, conheci duas colegas do meu curso, simpáticas, falamos um bocadinho. De casas, de dormitórios, de transportes, enfim, variados assuntos... Falei também com pessoal mais velho. Os veteranos. Perguntaram-me se iria para a praxe. "Brinquei" com eles. Disse-lhes que ia um dia experimentar, e que depois saía logo a seguir. Eles riram-se, e também "brincaram" comigo. Vá, acham-me piada, já não é mau...

 

A sessão de boas-vindas iria ser na quarta-feira de tarde. Muito bem, quarta-feira, dia 20, pensei eu. Pois, pensei mal... (a pensar morreu um burro...) Foi quarta-feira, dia 13.

 

Faltei às boas-vindas, com pena minha, vi no site que afinal o meu pensamento não estava correto... Enfim... Tentei entrar então no site da universidade, com o nome e palavra-passe que me deram. Impossível. A palavra-passe mais parece um código morse. Ligo para lá. Os serviços informáticos não estão disponíveis. Boa. 

 

Mas, consegui ver os horários, e sem ter que colocar o código morse... Segunda-feira começam as aulas, dia 18. Deste tenho a certeza!

 

Desejem-me sorte!

 

A Desconhecida

15
Set17

O sonho tornou-se real!

Houveram momentos de dúvidas, muitas...

Houveram reflexões, mais dúvidas, e questões...

Houveram momentos de balanços, de fechar capítulos...

Houveram momentos de abrir novos capítulos, com novos objetivos, e conquistas...

Houveram momentos em que andei envolta em recordações da escola...

Houveram momentos em que cresci mais um bocadinho...

Houveram momentos de silêncio...

Houveram momentos de novidades...

Houveram momentos de estudo...

Houveram momentos de agitação...

Houveram momentos em que me ausentei...

Houveram momentos em que senti saudades...

Houveram os exames...

Houveram momentos de espera...

Houveram momentos de pura felicidade...

Houveram momentos em que o tempo voou...

Houveram momentos de aproveitar a vida... as férias... a família... os amigos...

Houveram momentos menos bons, em que umas décimas estragaram a possibilidade de ficar em Braga...

E houveram outros momentos, em que só disse, vai ser o que deus quiser...

 

Depois houve este momento!

Screenshot_20170914-101054.png

Sou oficialmente caloira, no curso de educação!

A Desconhecida

13
Set17

Férias: as mensagens dos netos.

 

  • Tás aí?
  • Tou aqui no meu quarto. Porque é que tás a mandar-me mensagens?
  • A mãe pensa que eu já tou a dormir.
  • Então desliga o som do whatsapp, estou a ouvir as minhas mensagens a apitar no teu telemóvel.
  • Já está. Viste a carta da avó?
  • Não consegui ler. Tu leste? E a mãe já leu?
  • Eu já li. A mãe também. Telefonou logo à avó.
  • E então? O que é que dizia? A mãe ficou chateada?
  • Acho que não. Mas a avó não contou tudo.
  • Então? O que é que não contou?
  • Não disse que fomos para a praia e não usámos protetor.
  • Eram cinco da tarde. Não precisávamos de protetor.
  • Até parece que não sabes como é que é a mãe. Fator 50, seja a que horas for.
  • Mas estávamos vestidos. Estava frio, nem tirámos as camisolas. Eu até tinha calças. Que exagero.
  • A avó também não disse que comemos um bitoque.
  • Eu comi um bitoque. Tu comeste uns três ou quatro. És uma besta a comer.
  • O bitoque tem glúteos?
  • Glúten. Não são glúteos. É glúten. Não, não há glúten no bitoque. Só se o arroz for contaminado.
  • O arroz pode estar contaminado?
  • Pode, mas isso é uma mania da mãe. Não ligues. Eu é que já sei isto de trás pá frente, já ouvi aquilo tanta vez. Gostaste dos bitoques, não gostaste? Então fica calado e não digas nada. Se a avó não disse, não digas tu. E dos bolos? A avó falou dos bolos?
  • Falou. Mas não disse que comemos um bolo de arroz. E que a avó ficou cheia de medo por causa dos glúteos.
  • Glúten!!
  • Nunca tinha comido um bolo de arroz. É tão bom. Podíamos comer outra vez e não dizemos à mãe.
  • Não. Se a mãe não quer, não vamos comer. Isso está cheio de porcarias. Come antes um biscoito.
  • De aveia e quinoa dos Andes? Come tu. Detesto aquilo.
  • Eu também. Não sabe a nada.
  • Achas que conseguimos convencer a mãe a parar de comprar?
  • Eu não me importava de comer aquilo uma semana inteira, eu queria era parar de usar aquele champô.
  • Blargh!! Não fales nisso que fico com vontade de vomitar. Cheira a cocó. E vomitado.
  • Olha, e ouviste o que a mãe disse ao telefone?
  • Só ouvi partes. Tava a falar dos abraços nas árvores.
  • O que é que tem? A mãe ficou chateada porque não demos nenhum?
  • Não sei. Acho que até se riu. Devia pensar que como tínhamos uma árvore no quintal íamos andar sempre aos beijos ao tronco. Eu não gosto disso.
  • Eu gosto. Tu é que és um esquisito. Com isso e com as minhas saias.
  • Eu não vou usar as tuas saias. Não quero usar as tuas saias. Nem brincar com as tuas bonecas. Podes brincar com os meus carros, mas eu não quero as tuas bonecas.
  • Os nossos carros. As nossas bonecas. A mãe diz que são nossas.
  • Tá bem. Mas eu não quero as nossas bonecas.
  • Sabes se a avó disse alguma coisa da música?
  • Acho que disse que não ouvimos os monges e que gostámos de ouvir aquele do nós pimba. E o Despacito.
  • É o Emanuel. Eu não gostei de ouvir o Emanuel.
  • Eu também não. Mas a avó não sabe. Não lhe digas. A avó é velhinha, não precisa de saber que não gostamos de tudo.

 

Digam lá, não estão deliciosos estes três textos?!

A Desconhecida

13
Set17

Férias: a resposta da avó.

 

  • Olha, filha, não sei se percebi bem os recados que me deixaste. Dizias que a Matilde não come arroz, mas houve um dia em que ela quis provar do arroz de frango que fiz para mim e para o teu pai e gostou. E pediu para repetir. Duas vezes. Já não me lembro se vocês são vegetarianos ou não, se os miúdos comem carne às vezes ou só às terças e quintas, mas ela pareceu tão consolada que no dia seguinte fiz mais. E também gostou do sarrabulho.
  • Não lhes dei bolos, como pediste. Mas o teu pai não leu os recados. E ele deu. Todos os dias ao fim da tarde iam dar um passeio com o avô e o cão e passavam por casa da tia Idalina, que lhes dava uns biscoitos. Só soube isto no fim das férias. Mas acho que os biscoitos são muito bons. Depois peço-lhe a receita para te dar. Mas ela não usa cá açúcar amarelo. Não há disso na aldeia.
  • Comeram iogurtes e tivemos de comprar mais queijo porque eles acabaram num instante o que tínhamos cá em casa. Já não me lembro se podiam comer queijo ou não ou se era o leite de vaca que não podiam beber. Mas como é difícil arranjar leite de cabra, comprámos do outro na mercearia e não nos chateámos com isso. Não te chateies tu também.
  • Não brincaram com o iPad. Enquanto estiveram cá na aldeia nem lhe mexeram. Mas adormeciam a ver televisão. Dizias uma coisa qualquer sobre ecrãs à noite, mas eu não percebi bem.
  • Houve algumas birras. E numa delas o João fartou-se de chorar. Ele disse que ia ligar-te, mas o teu pai disse-lhe para ir mas é jogar à bola e estar calado e a coisa resultou.
  • Não lhes comprei brinquedos de plástico na feira, como tu disseste. E eles ficaram amuados comigo e não quiseram voltar à feira mais nenhum dia, o que foi uma chatice. Que raio de ideia, filha. Isso não correu muito bem.
  • O champô que mandaste para eles, aquele das plantas medicinais, cheirava mesmo mal. Tem paciência, mas lavei a cabeça dos teus filhos com o meu champô. É bem mais barato do que o teu. Andas a gastar uma fortuna numa coisa malcheirosa, filha.
  • As toalhas de algodão armado ao pingarelho que tu mandaste são tão fofinhas e estavam tão bem arrumadas que as deixei estar no sítio. Tive medo de as estragar. Os teus filhos tomaram banho todos os dias e limparam-se às toalhas que havia cá em casa. E não lhes caiu nenhum pedaço de pele. Acho que fiz tudo bem.
  • Querias que lhes desse três abraços por dia. Nuns dias dei mais, noutros não dei nenhum. E houve um em que me apeteceu dar um tabefe à Matilde, porque estava a fazer uma fita, mas depois acalmou.
  • Não houve cá abraços a árvores. Esqueci-me. E houve um dia em que o Pedro caiu da árvore do quintal e fez uns arranhões. Acho que não tinha vontade nenhuma de dar abraços ao tronco.
  • Aquela coisa de o João vestir as saias da Matilde é que me pareceu esquisito. Ele nunca pediu para vestir a roupa da irmã. Eu achei isso bem e fiquei contente.
  • Todas as noites ouviram música, como pediste, mas não foi o CD dos monges tibetanos, que isso irritava o teu pai. Ouviam a música dos altifalantes da festa. Não querias o Despacito, mas ouviram isso umas dez vezes por dia. E o Toy também. E o Tony Carreira e o Emanuel.
  • Só deves ver este papel quando acabares de tirar as coisas dos sacos dos miúdos. Deixei isto no fundo da mochila do Pedro de propósito. Assim, antes de saberes das coisas que não fiz como tu querias, viste os teus filhos e viste como estavam bem alimentados e cuidados.
  • PS: não precisas de colar isto na porta do frigorífico. Não quero que gastes fita-cola. Se tiveres alguma dúvida, telefona-me. É isso que as mães fazem: atendem o telefone às filhas para responder a dúvidas sobre os netos.

 

Gostaram? Só faltam as mensagens dos netos, continuem atentos!

A Desconhecida

13
Set17

Férias: os recados da mãe.

Retirei daqui. Divirtam-se!

 

  • A Matilde não come arroz. Diz que fica enjoada. Ainda não percebemos bem de onde vem isso, pensamos que fosse do glúten, mas ela só come arroz sem glúten. Aliás, ela não come glúten. A nutricionista naturopata recomendou. Também não come ovos do aviário.
  • Deixei um saco com comida para os miúdos. Arroz sem glúten, massa sem glúten, bolachas sem açúcar, alfarroba desidratada e biscoitos de aveia e quinoa dos Andes.
  • Não lhes dê bolos de pastelaria. Nem sumos de pacote. Nem leite de vaca. Nem chocolates. Nem leite com chocolate. Eles não comem nada que tenha açúcar refinado. Eu sei que a mãe faz um bolo de cenoura ótimo, mas se fizer use apenas açúcar amarelo. Mas só metade da dose. E cenoura biológica.
  • Deixei também açúcar amarelo. É especial, extraído de cana-de-açúcar explorada de forma sustentável.
  • Se eles insistirem muito para comer doces, dê-lhes uma peça de fruta biológica. Ou um abraço.
  • O Pedro pode brincar com o iPad dele antes de ir para a cama. Mas não nos últimos 34 minutos antes de apagar a luz. É o que dizem os estudos mais recentes.
  • Se ele ensaiar uma fita por causa disso, não o contrarie de mais. Não lhe tire o iPad das mãos à  força. Dialogue com ele. Convença-o. Queremos que os miúdos tenham capacidade de argumentação e não queremos contraria-los de mais, para não serem castrados na construção da sua personalidade. No fim, dê-lhe um abraço.
  • O iPad é a única coisa eletrónica que o Pedro tem. O psicólogo dele dizia que não devia haver tecnologia nenhuma até aos 12 anos. Mudámos de psicólogo e o outro diz que pode haver, desde que tenha jogos que estimulem a parte do cérebro onde se constroem as emoções. Como ficámos baralhados, arranjámos um terceiro psicólogo, que disse para fazermos o que quisermos.
  • Eles têm uma série de brinquedos de madeira e metal, feitos por artesãos velhinhos.Ás vezes queixam-se que as rodas de lata não andam. Se for o caso, ajude-os a brincar com outra coisa qualquer, desde que não tenha plástico. Não queremos brinquedos de plástico.
  • Se forem à feira e eles quiserem comprar bugigangas nos vendedores, compre-lhes uma rifa. Ou uma maçã. Ou dê-lhes um abraço.
  • Todos os brinquedos devem ser partilhados. Não há brinquedo de menina e brinquedo de menino. Se o João quiser brincar com as bonecas de linho biológico da irmã, não há problema.
  • Se ele quiser vestir as saias dela, também não há problema. Não queremos limitar a identidade de género dos nossos filhos.
  • Há um saco com sabonete natural e champô à base de plantas medicinais sem aditivos químicos. Cheira um pouco mal, mas é ótimo para o cabelo.
  • Mandei também umas toalhas de algodão biológico. Use só essas quando forem para a praia. São as melhores para o pH da pele deles.
  • Todas as noites eles devem ouvir um pouco de música. Não pode ser o Despacito. O ideal é ser aquele CD de monges tibetanos. Aqueles sons são bons para o cérebro e para a digestão.
  • Se eles quiserem subir às árvores, podem subir. Mas devem dar um abraço ao tronco antes disso. De preferência, devem agradecer à árvore antes de subirem para cima dela.
  • Eles precisam de três abraços por dia. Pelo menos. Por favor não esqueça isso. E se puder, dê-lhes abraços de pele a tocar na pele. A energia positiva assim passa de forma mais eficaz.

 

  • PS 1: Mãe, não se enerve depois de ler isto tudo.
  • PS2: Cole este papel na porta do frigorífico, para não se esquecer de nada. Mas não use fita-cola, que isso tem plástico.

 

Fiquem atentos, em breve sai a resposta da avó, e depois as mensagens dos netos.

A Desconhecida

11
Set17

Atualizando... #4

O Aniversário da minha miúda Inês!

3 aninhos!

IMG_20170909_230808.jpg

 

 

Hora do lanche!

IMG_20170909_222438.jpg

 

 

Dia de Praia!

20170909_222655-COLLAGE.jpg

 

 

O Acampamento dos Primos!

IMG_20170909_223525.jpg

 

 

 

Dia de Corrida Matinal!

IMG_20170901_104549.jpg

 

 

 

A Noite Branca em Braga.

Muita música. Aurea e Mariza, na sexta-feira. Seu Jorge e Dj Ride, no sábado.

Muita gente nas ruas. Muita diversão. Muita dança. Muitos risos. Muitas fotos.

Foram noites e madrugadas muito bem passadas na companhia dos amigos!

IMG_20170909_225717.jpg

 

 

Pequenos-almoços e lanches saudáveis e saboros!

IMG_20170905_093235.jpg

 

IMG_20170906_171928.jpg

 

 

Sábado no parque!

IMG_20170909_152533.jpg

 

A Desconhecida

 

10
Set17

Desafio: Mais sobre mim

Fui desafiada pela querida Susana, do blog The Cherry, e pela querida Tatiana, do blog Em Busca de Um Sentido, para responder a este desafio.

Obrigada por se terem lembrado de mim! 

Aqui vai!

 

1 - Oferecem-te uma viagem no tempo que não podes recusar. Que época escolhias?

Escolheria a época dos meus avós, adorava ver como eles constituíram família naqueles tempos, adorava ver o que era a casa deles antes, adorava poder ver as aventuras dos meus tios, e da minha mãe, quando eles eram pequenitos, aquelas aventuras que eles não se fartam de contar...

 

2 - Um filme que te arrependes de ter visto?

Não me recordo de nenhum, sinceramente...

 

3- Fotografar ou ser fotografado?

Ambas. Gosto de fotografar, e muito. Mas também gosto de ser fotografada, e depois poder olhar aquelas fotos e dizer, "Caramba Desconhecida, que gata!"

 

4 - Se tivesses obrigatoriamente de apagar o blog amanhã, qual era o título do último post que irias escrever no blog?

Foi bom enquanto durou, mas hoje acabou...

 

5 - Tens (ou já tiveste) alguma celebridade que consideres como teu ídolo?

Não, não tenho, e acho que nunca tive...

 

6 - Uma saída com amigos: discoteca até de madrugada, ou jantar e ficam todos em casa a conversar?

Ambas. Gosto de sair à noite, ir dançar até de madrugada, mas já se sabe que nas discotecas não dá para falar, por isso um jantar com os amigos é sempre bom para pôr a conversa em dia e fazer palhaçadas.

 

7 - Qual foi a frase que alguém alguma vez te disse e nunca esqueceste (não precisa de ser profunda, há frases que simplesmente nos ficam na cabeça)?

Carpe diem... ficou na cabeça desde que vi um filme numa aula no secundário.

 

8 - Quando estás no carro ouves rádio ou escolhes a música que queres ouvir?

Normalmente é rádio.

 

9 - Se pudesses voltar atrás no tempo e dizer alguma coisa que ficou por dizer (porque só te lembraste depois, é o que acontece sempre), o que dirias?

Provavelmente muita coisa, mas neste momento não me lembro de nenhuma situação em especifico.

 

10 - Se pudesses conhecer mais alguém nos blogs, quem seria?

MJ, desafio-te. 

 

A Desconhecida

 

09
Set17

Quando o avô pergunta...

Avô - Olha lá, porque é que estás a guardar aquelas batatas?!

 

Avó - Oh homem, tu não vês que aquelas batatas são para o natal!

 

P.S - Façam como a minha avó, comecem já a preparar o vosso natal!! E não se esqueçam das batatas!!

 

Bom fim de semana!

 

A Desconhecida

Pág. 1/2