Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

1SimplesDesconhecido

Sou mais uma pessoa que decidiu criar um blog, entre milhares, o que me leva a acreditar que provavelmente ninguém vai ter interesse em ver mais um... mas mesmo assim, decidi experimentar! ;)

14
Fev18

Da família materna...

Eu adoro a minha família. Adoro a minha família materna. Uma família grande e louca.

 

Os avós são os grandes fundadores de tudo. Construíram uma casa. Com muito amor, criaram 8 filhos. 4 raparigas. 4 rapazes. Os filhos casaram, e então, juntaram-se mais 8 pessoas à família.

 

Começaram a nascer crianças. Cada um dos meus tios teve um casalinho, um menino e uma menina. Apenas eu e a minha prima Sara somos filhas únicas. Somos 14 netos ao todo.

 

Eu adoro esta família. Esta família grande e louca. Quando nos juntamos todos, somos 32, ou mais.

 

Mas para manter esta família grande e louca unida, não é fácil. Dá trabalho. Muito trabalho. Bem sei, sem trabalho não há nada... Mas sei também que se todos ajudarem e colaborarem é mais fácil... Onde todos ajudam, nada custa... E sei que ninguém é perfeito. Sei que cada um tem a sua vida. A sua própria família. Sei que nem sempre há disponibilidade. Sei disso tudo. Sei todas as desculpas... Sei que não há tempo. Ou será, boa vontade?!

 

Boa vontade de fazer.

 

É porque aqui, nesta família, calha sempre aos mesmos. E, normalmente, é a minha mãe, e mais umas tias... Porque os meus avós já não caminham para novos, e pronto, são elas a organizar... Sei que são sempre elas, ou ela. A minha mãe.

 

Sempre que há um aniversário, ou festa, a minha mãe liga a 7 irmãos. E eles lá veem. Vêm todos, porque a comida é dada pelos meus avós. Feita pela minha mãe e tias. E eles só têm que sentar e comer... E por vezes ainda se houve uma reclamação da comida... Que tristes... E é um ciclo vicioso... Sempre assim, em todos aniversários dos meus avós, em todas as festas e ajuntamentos... Durante muitos anos foi assim. Até que cansa...

 

Até que a minha mãe diz, "cada um traz a sua comida e fazemos um piquenique". Começam a chegar as desculpas então... Desculpa do tempo, do trabalho, da escola... Mas a verdade é que, tudo é tão melhor quando a papinha está toda  feita... Começamos a ser menos à mesa...

 

E é "engraçado" de ver depois... Ninguém quer saber, se não for a minha mãe, ou uma das minhas tias, ninguém quer saber... Ninguém se lembra de nada. Ninguém se lembra de datas importantes, nem de aniversários... Ninguém se importa. Ninguém liga aos meus avós, não há chamadas, nem visitas. Ou se há, é de longe a  longe...

 

Eu sempre gostei, e gosto muito destes ajuntamentos. Mas não gosto de injustiças. Gosto de nos ver juntos, todos a dar-nos bem, a rir até não poder mais, e a ter inúmeras histórias para contar... Só que tudo dá trabalho, e se só um ou dois é que se interessam, no meio de tantos, não resulta...

 

A Desconhecida

 

32 comentários

Comentar post

Pág. 1/2